Feeds:
Posts
Comentários

Imagem

A Medicina Homeopática e a Terapia Floral são semelhantes em um ponto: trabalham com medicamentos energéticos. Esses medicamentos têm a sua ação baseada na energia desprendida durante o processo de preparação, diferente da Medicina Alopática cujos remédios dependem de sua quantidade de matéria para exercer efeito. Apesar dessa semelhança, há muitas diferenças entre essas práticas de tratamento. Continuar Lendo »

Imagem

Vamos conhecer a história contada pelos hindus que olham a flor de lótus com respeito e veneração. Ela é freqüentemente  associada a Buda, por representar a pureza emergindo imaculada de águas  lodosas.
No  Japão, por exemplo, esta flor é tão admirada que, quando chega a primavera, o  povo costuma ir aos lagos para ver o botão se transformando em flor.
Lótus é o símbolo da expansão espiritual,  do sagrado, do puro. Continuar Lendo »

A Magia das Plantas

Antigamente, os animais eram dotados de fala e viviam em alegre harmonia com os homens, mas a humanidade começou a reproduzir-se tão depressa que os animais foram forçados a morar nas florestas em lugares desertos, e a velha amizade entre animais e homens foi esquecida.

Quando os homens inventaram armas e passaram a caçar animais para alimento e obtenção de suas peles, a distância aumentou ainda mais. Os animais começaram a pensar em modos de retaliação. Cada espécie animal se reuniu e resolveu declarar guerra aos homens também: a tribo dos Ursos, com o chefe Velho Urso Branco, os Veados com o chefe Pequeno Veado, os Répteis, os Peixes e por fim os Pássaros, os Insetos e outros pequenos animais.

Cada tribo decidiu causar um tipo de doença nos homens: os Veados causariam reumatismo, Répteis e Peixes assombrariam os homens durante seus sonhos, enlouquecendo-os etc, etc.

As plantas, que eram amigas dos homens, ouvindo os planos dos animais, decidiram ajudar os homens: cada árvore, arbusto, relva ou mesmo erva decidiu criar um remédio para algumas das doenças referidas.

Quando o médico tinha dúvidas no que dizia respeito ao tratamento de um paciente, o espírito da planta sugeria um remédio adequado, foi assim que nasceu a medicina.
Mito Iroques (tribo indígena Norte-Americana) Continuar Lendo »

O  comportamento de auto-medicar-se é um tema de interesse crescente para behavioristas, parasitologistas, etnobotânicos, químicos ecologistas, conservacionistas e médicos. Cientistas de várias disciplinas estão atualmente estudando a possibilidade de que muitas espécies utilizam plantas, solos, insetos e fungos como ‘medicamentos’ de forma que se proteger de futuras doenças (medicina preventiva) e / ou aliviar os sintomas desagradáveis (medicina curativa ou terapêutica). É importante notar que o estudo científico da auto-medicação dos animais não é baseada em uma suposição de que os animais possuem uma “sabedoria” inata pela qual eles perfeitamente sabem o que é bom para eles. Estratégias de automedicação são habilidades de sobrevivência refinadas pela seleção natural. Na maioria dos casos, a auto-medicação pode ser motivada por um desejo de reduzir imediatamente sensações desagradáveis. Algumas espécies, particularmente grandes macacos, mostram uma intenção de propósito na sua medicação e, nestes casos o termo “zoofarmacognosia” foi cunhado para descrever o processo pelo qual os animais selvagens selecionam e utilizam plantas específicas com propriedades medicinais para o tratamento e prevenção de doença1. Continuar Lendo »

Com a chegada do Renascimento, diversos monarcas, príncipes e poderosos encomendaram a construção de jardins fastuosos, anexos às suas casas. A paixão pela natureza, o conhecimento do mundo vegetal e o acúmulo de plantas exóticas vindas dos confins do mundo não foram, contudo, as únicas razões que levaram a tal tarefa jardineira. Continuar Lendo »

16 e 17 de abril de 2011
9h00 às 17h00 

Programação:a organizar 175

- A base da terapia floral segundo os estudos de Dr. Bach (7 defeitos capitais causadores de doenças e as 7 virtudes capazes de curar)

- Elaboração do Floral: A escolha das plantas, técnica para o preparo da matriz, solução estoque e solução de uso, vias de administração e doses conforme as espécies.

- Estudo do funcionamento dos Corpos supra-físicos e dos principais Chakras do corpo como ferramenta de diagnóstico dos distúrbios emocionais e comportamentais que possam conduzir à doença no físico.

- Indicações para pessoas e animais (cães, gatos, aves e outros pets)

- Como explorar a história do paciente para a escolha dos florais (anamnese)

- mais de 80 Flores usadas no sistema de Saint Germain e suas indicações

- Apresentação de fórmulas prontas

- Discussão de casos clínicos (humanos e animais)

- Apresentação de pesquisas científicas

Vagas: 10

Local: Rua Vergueiro, 2949 (próximo ao metrô Vila Mariana) -
São Paulo – SP – mapa de como chegar aqui

Maiores informações e reservas através do e-mail vetfloral@gmail.com.

Plantas inteligentes?

Cientistas Alemães pesquisam “Funções Cerebrais” nas Raízes das Plantas.

Plantas podem ser mais inteligentes do que parecem. Elas não têm cérebro como os animais, mas desempenham funções semelhantes às cerebrais, argumentam cientistas alemães.

Em conjunto com a equipe de pesquisadores de Stefano Mancuso, de Florença, na Itália, o cientista Frantisek Baluska, de Bonn, descobriu, em raízes vegetais, funções semelhantes às cerebrais. Estruturas citológicas, analisadas com auxílio de um microscópio, se assemelham a células cerebrais animais, afirmam os cientistas. “Esta pesquisa está, todavia, no começo”, salienta Baluska. Por isso, ele prefere não falar de um “cérebro vegetal”, mas usar a expressão “central de comando”. Continuar Lendo »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.